Socalcos

ÍNDICE Ribeira « anterior |

seguinte » A cascata

Autoria | José Manuel Moura Alves

Criado em | Julho 2012

Estilo poético | Versos livres

DSC_0845.JPG

Socalcos são répteis em desvario
Serpenteando em magia pelas encostas
Perseguidos em serena cadência
Por cômbaros e levadas.

Socalcos são sobressaltos de palavras
Tronos de realeza, ousadias de génios
Berços esculpidos na inclinação apressada dos montes
De formas vadias
Vertiginosamente escorregando até às ribeiras.

Socalcos são as rugas dos gentios
Palcos de insónias perdidas no tempo
Gritos de enxadas abrindo a rigor os torrões
O berço
Onde germinarão ansiosas
As espigas de milho e do centeio
Alouradas ao sol
Sobre as fragas inteiras das eiras
Cobertas de praganas a esvoaçar.

Socalcos são escadas de nobreza
A finura do traço, intervalos de beleza
O perfeito soluçar da serra
Ardilosamente rasgada
Num desafio inventivo ao pensamento
Que no momento nos faz sonhar
E acreditar que o mundo está aqui
Onde cada socalco é a força
Da minha gente em sobressalto.

______

Comentários a este poema

Adicionar um Novo Comentário
Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License