Fontão

Autoria | José Manuel Moura Alves

Criado em | Julho 2013

Estilo poético | Versos livres

Pérola perdida
No silêncio da serra
Ali…
Onde o xisto se ergue majestoso
Nas formas irrequietas
Das casas do caminho.

A natureza é a única rainha
Que de verde se refresca
Nas calmas águas
Que correm no ribeiro e nos campos.

O vento agitando as folhas
No Barbo dos Lobos
É a única melodia que se escuta
Como um grito plangente
Do progresso que morreu
Cansado que estava
De galgar socalcos verdejantes e soalheiros.

Fui ao Fontão e voltei!
Mas deixei lá plantado o meu olhar de tristeza
Deambulando pelo passado esquecido
Escrito em dias de glória
Quando o risos das crianças
Ainda se ouviam
Pelos becos e ruas estreitas
Desenhadas em socalcos
Na lógica inventiva do povo simples.

Fui ao Fontão e voltei apaixonado
Pela beleza pura das aldeias da nossa terra.

______

Comentários a este poema

Adicionar um Novo Comentário

Páginas relacionadas

Páginas com etiquetas similares:

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License