Não existe nada igual

ÍNDICE Avô Luís « anterior |

seguinte » Canção de Loriga

Autoria | José Ferreira

Criado em | . 2007

Estilo poético | Quadras

I
Para rever a minha terra
Pensei sobre ela falar
Fica na encosta da serra
É Loriga, é um altar

V
Caixão da Moura e os poços
Até a nossa ribeira
São de Loriga são nossos
Produtos de brincadeira

IX
Do Reboleiro lembranças
Do Vinhô só recordar
Da Barroca outras andanças
Do passado é bom falar

II
Da Portela do Arão
Até Loriga avistar
Não é nenhuma ilusão
É lindo é de encantar

VI
De beleza de penedas
E mesmo a Fonte do Vale
Fonte do Mouro, represas
São encantos sem igual

X
O que fica por lembrar
A Volta, o Porto e outros
Poço Zé Lages, brincar
Recordações de garotos

III
Paisagem que faz inveja
Saudade que se sentia
Em rever aquela igreja
Da Nossa Senhora da Guia

VII
Já penso no alto da serra
Penha dos Abutres, Gato
São coisas da nossa terra
Bem lindas com neve e mato

XI
Penso que está tudo dito
E para mim foi um prazer
Solto agora o meu grito
Deixem Loriga crescer.

IV
Passando a Ponte Nova
Todo o espanto que encerra
Do trovador sua trova
Doa cantos à nossa terra

VIII
A Casa dos Ingleses
E também o Surgaçal
São encantos e belezas
Que não existe nada igual

______

Comentários a este poema

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License