Bolo Negro de Loriga

ÍNDICE Cuidar da Serra « anterior |

Autoria | José Manuel Moura Alves

Criado em | Julho 2019

Estilo poético | Cantiga

I
O Bolo negro
É de loriga
É especial
É uma delícia
D´arte e perícia
Fabrico ancestral

II
O cheiro a canela
Vem da janela
Faz-me exclamar
É tão bom esse cheirinho
De bolo negro quentinho
Que tu estás a cozinhar.

Refrão
Páscoa ou Natal
Era habitual
Era a tradição
Hoje a qualquer hora
Dia ou noite fora
Seja Inverno ou Verão
Por brincadeira
Na sexta-feira
Pus-me a cantar
Bolo negro de Loriga
Agora virou cantiga
Vamos lá todos provar

III
Vai buscar à cantareira
O batedor de madeira
E vai rolando devagar
Quarto farinha de trigo
Deita aos poucos meu amigo
Para não se embolar

IV
Meio de leite fresquinho
Não esqueças, vai vertendo
Até líquido ficar.
Bicarbonato juntando
A canela adicionando
Poi o forno a esquentar.

Refrão

V
É vê-lo agora a crescer
Aos poucos a escurecer
E a ficar tostadinho
Vai metendo a caruma
Suave como uma pluma
Para ver se está sequinho

VI
É desenformar
É arrefecer
E já, já servir
Bolo negro de Loriga
Agora virou cantiga
Vamos lá todos curtir.

REFRÃO
Final
Bolo negro de Loriga
Agora virou cantiga
Quero mais uma fatia
Quero mais uma fatia.
E vamos lá malta!
E vamos lá..
Bolo negro de Loriga
Agora virou cantiga

______

Comentários a este poema

Adicionar um Novo Comentário
Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License