Cuidar da Serra

ÍNDICE A gastronomia « anterior |

seguinte » Bolo Negro de Loriga

Autoria | Adélia Prata

Criado em | Junho 2018

Estilo poético | Marcha

Perdida nesta elevada montanha
Loriga qual princesa a sonhar
À luz do sol sempre madrugador
Acorda assim que ele a vem beijar
Na encosta da serra verdejante
Ramagens olham o céu em sentinela
Dando as boas-vindas ao São João
Que vem ao Lar ver a marcha mais bela

1
No campo e na montanha
Em singular singeleza
Folhas, rebentos, raízes
Tudo forma a natureza
Na sua diversidade
Harmoniosa e tranquila
Deslumbrante ao nosso olhar
Como é linda a nossa vila

2
Dos pinheiros em silêncio
Espalhados p'la colina
Caem pinhas e caruma
E escoa lenta a resina
Em tom de braços abertos
Abrigam os fatigados
Circulam na sua seiva
Segredos de namorados

3
Nos troncos olhando o alto
Saltam, cantam passarinhos
Nos galhos ou na ramagem
Vão construindo seus ninhos
Não param as borboletas
Dançam abelhas também
São seres vivos a louvar
A Natureza que é mãe

4
Maia amarela e branca
Nos raminhos de giesta
Enfeitam a nossa serra
Como em dia de festa
Vem o cheiro a rosmaninho
Trazido pela aragem
Mostra-se também a urze
Num terno jardim selvagem

5
No alto moram fraguedos
Com muitos anos de vida
Neve, água, tudo empresta
Tanta beleza a Loriga
Montes vestidos de esperança
Do cimo até à ribeira
Brilha ao longe a brancura
Das flores na cerejeira

6
À sombra do arvoredo
Quantas vezes namorei
Tantos frutos nós colhemos
Quantos abraços te dei
No Outono mais dourado
Folhas secas pisei eu
À lareira no inverno
A lenha nos aqueceu

7
É tão linda a nossa serra
Cuidada é maravilhosa
Amigos do ambiente
Vamos mantê-la viçosa
Bichos insectos e flora
Vamos todos respeitar
Se não cuidarmos da serra
Não temos onde morar

______

Comentários a este poema

Adicionar um Novo Comentário
Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License