Os meus filhinhos

ÍNDICE Poema da Água « anterior |

Autoria | António Alves Conde

Criado em | Abril 2008

Estilo poético | Cantiga

I
Roubaram-me os meus filhinhos,
Todos pequeninos.
Não sei porque razão!…
Eu lhes tinha grande amor,
Roubaram-me a flor,
Do meu Cantão.

II
Meus filhinhos, pequeninos
Todos jeitosinhos
Voltai para o Vosso Lar,
Para teu Pai e Vossa Mãe
E muito mais alguém
Vos poder beijar…

III
Gostava de vos ver Brincar
E a saltar,
Lá na Ponte Nova,
Mas Deus assim quis,
Eu não fui Juiz,
Levam-me p`ra Cova.

IV
Minhas criancinhas,
Todas pequeninas,
Sois um amor…
Gostava de Vos ver
E crescer,
Como uma Flor.

{REFRÃO}
Ai, Ai… eu agora choro, choro
E por isso Vos adoro,
Com todo o meu sentimento….
Ai, Ai… eu agora choro, choro
E por isso Vos adoro.
Vos tenho no pensamento.

V
Meus filhinhos, pequeninos
Todos jeitosinhos
Voltai para o Vosso Lar,
Para teu Pai e Vossa Mãe
E muito mais alguém
Vos poder beijar…

VI
Gostava de vos ver Brincar
E a saltar,
Lá na Ponte Nova,
Mas Deus assim quis,
Eu não fui Juiz,
Levam-me p`ra Cova.

{REFRÃO}
Ai, Ai… eu agora choro, choro
E por isso Vos adoro,
Com todo o meu sentimento….
Ai, Ai… eu agora choro, choro
E por isso Vos adoro.
Vos tenho no pensamento.

VII
Minhas criancinhas,
Todas pequeninas,
Sois um amor…
Gostava de Vos ver
E crescer,
Como uma Flor

VIII
Eles não correm p`rigo,
De viver comigo,
É de eles que eu gosto,
Pois que venha sua mãe,
Que venham eles também,
P´ra lhes ver o rosto.

{REFRÃO}
Pois, então…já me dói o coração,
Já me dói o coração…
Para tudo isto acabar…
Pois então…já estou desesperado…
Quero dormir sossegado…
Quero vê-los no seu Lar.

Pois, então…já me dói o coração,
Já me dói o coração…
Para tudo isto acabar…
Pois então…já estou desesperado…
Quero dormir sossegado…
Quero vê-los no seu Lar.

______

Comentários a este poema

Adicionar um Novo Comentário
Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License