Poema da Água

seguinte » Os meus filhinhos

Autoria | António Alves Conde

Criado em | Junho 2008

Estilo poético | Quadras

1
A água é o sangue da terra,
Que corre nas suas veias.
Por vezes, secas
E por vezes, cheias.

2
Quando ela é abundante,
Ela vem ter ao riacho.
Com o sol se torna brilhante.
Ao vê-la correr para baixo.

3
A água do mar é salgada.
Que serve para temperar.
Por vezes ele se torna amarga,
Para quem nela vai pescar.

4
A água deve ser poupada.
Quando ela não é abundante.
Não custa nada…
É fechar a torneira, num instante.

5
A natureza é bela
Porque a água nos oferece.
Temos que estimá-la
Porque ela bem o merece.

6
Temos que compreender,
Tratar a água com ternura,
Para termos para beber,
Sempre, sempre , com fartura.

______

Comentários a este poema

Adicionar um Novo Comentário
Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License