Assim foi, assim seja o dialecto de Loriga (Minha terra amada)

ÍNDICE Sem título « anterior |

seguinte » Sem título

Autoria | José Lages Caçapo

Criado em | .

Estilo poético | Quadras

Assim foi, assim seja o dialecto de Loriga (Minha terra amada)

Sei que há calor em todo lado
Mas em Loriga só há chisneira
Andar nu nunca foi um pecado
Pois lá, a gente anda dinqueira.

Eu que fui um desavergonhado
Nos bons tempos que lá passei
Olha que forca vem ali ao lado
A ouvir tais elogios me esfeijoei.


Dinqueira (Nua) em coiro, em pele
Desavergonhado (sem vergonha)
Esfeijoei (Cai, fiquei espalhado como os feijões)

______

Comentários a este poema

Adicionar um Novo Comentário

Páginas relacionadas

Páginas com etiquetas similares:

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License