Fios e Gente

ÍNDICE Poema fraternidade « anterior |

seguinte » Fontão, Loriga, Seia

Autoria | Mário

Criado em | .

Estilo poético | Marcha

{Refrão}
No nosso lar tão alegre
Bate o sol de manhãzinha
Há cravos de muitas cores
Na marcha logo à tardinha
O rosmaninho já arde
Vem cá, dá-me a tua mão
Hoje o dia é mais alegre
Viva, viva o São João.

1
Por entre estas montanhas
Onde há pedras e flores
Casinhas da nossa gente
Indiferenças e amores
Se um dia as nossas ruas
Ganhassem voz p’ra falar
Nos diriam quanta gente
As pisou a caminhar

2
No Outeiro ou no Regato
Em grupo as raparigas
Corriam para o trabalho
Alegres e bem vestidas
Na grifa, ou no corte-e-cose
Sempre tão habilidosas
Teares ou bobinadeiras
Quantas mãos laboriosas

3
O s rapazes curiosos
Gostavam de as ver passar
Quando metiam conversa
Pensavam em namorar
Num constante vai e vem
De manhã e à tardinha
As ruas cheias de gente
Mais nova e mais velhinha

4
Bonitas peças de malha
Lisas ou de fantasia
Em Loriga fabricadas
Mais perfeito não se via
Lamb’swool ou angorá
Dependia da estação
Tantas cores diferentes
E moderna coleção

5
Perco o fio à meada
De tantas que um dia fiz
Podes crer em mim Manel
Porque sou eu quem te diz
Desses espaços com alma
Que hoje estão degradados
Saem brados sem ter voz
Constantes gritos calados

6
Primeiro andava a roda
Bem pertinho da ribeira
Dava voltas como o tempo
Agora é de outra maneira
É tão pouco o que labora
Da grandeza de outros tempos
Tudo se esvai tudo foge
Só ficam os pensamentos

______

Comentários a este poema

Adicionar um Novo Comentário
Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License