A primavera

ÍNDICE Serrana! Serrana! « anterior |

seguinte » Natal da ANALOR

Autoria | José Manuel Moura Alves

Criado em | .

Estilo poético | Versos livres

Acalmou-se a ribeira enfurecida
Desce agora, em paz
No seu leito selvagem
Ladeado aqui e além
Por salgueiros e giestas dançando na brisa
Desafiando a mudez dos cômbaros
Esgarrados pelas silvas
Num sereno convite a despertar.

Já não se vê a neve na Penha de Águia
Calou-se o vento na garganta
Solta-se o zimbro do cativeiro
Esvazia-se o curral
O gado enche todo o nosso olhar de sons
Num concerto despautado
Dos chocalhos descompassados e melancólicos.

Na surreal magia
As flores
Como um grito apaixonado
Soltam no ar os seus odores
Vestem-se de vivas cores
E o amanhecer nebulado
Da natureza severa
Gera um sol alaranjado
E em jeito de recado
Reinicia a Primavera

______

Comentários a este poema

Adicionar um Novo Comentário
Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License