José Gomes Luís Lages

José Gomes Luís Lages nasceu em Loriga no lugar do Cabrum em 1 de Outubro de 1881, filho de José Gomes Luís Lages e de Ana Luís Mendes Jorge.

Biografia

Era o mais velho de três irmãos, que com o falecimento precoce do seu pai (com 24 anos) quando tinha apenas 8 anos e, após a abolição da escravatura no Brasil, viaja com o padrasto e o irmão António para este país, mais precisamente para o Rio de Janeiro.

No Brasil

Residiu no vale do Rio Paraíba e depois foi viver para Belém do Pará e também para Manaus, onde já existia uma vasta comunidade loriguense, que trabalhava no café, na cana-de-açúcar e na borracha e onde consegue sobreviver à febre amarela, na altura muito comum naquela região. Teve a sorte de regressar a Portugal em 1900, enquanto o irmão partiria para Argentina que à semelhança de tanta gente de Loriga, nunca mais voltou à sua terra.

De volta a Portugal

Em Portugal, começa por viver em Loriga com a irmã Teresa e com a avó paterna Emma. Depois trabalha com um primo em Mangualde até regressar a Loriga em 1902, para o casamento da irmã com José Gomes Luiz de Pina. Nesse mesmo dia, começa um namoro com a irmã do cunhado, com quem acaba por casar passado meio ano. Por via da mulher, Maria Emília de Luís Duarte Pina entra na Fábrica do Regato de onde sai após a morte do cunhado José, por tifo, e em divergência com a sogra e os restantes cunhados.

Em 1929, trabalhou para Carlos Nunes Cabral e travou conhecimento e amizade com o Conde da Covilhã. Em 1930, após hipoteca das terras que herdou da avó no lugar do Cabrum, no Portugal e no Teixeiro, perante o Conde da Covilhã contrai um empréstimo de 500 contos que serviria para construir a Fábrica das Lamas, aproveitando a levada de água que alimentava também a Fábrica da Redondinha.

Funda a Fábrica das Lamas e inicia a sociedade de lanifícios Lages que posteriormente adopta as designações de Lages, Santos & Companhia, Lda e mais tarde Lages Santos & Sucessores, Lda., não tendo já pertencido a esta sociedade que cessaria laboração em 1973 e que foi vendida por 500 contos em 1980 à firma Pedro Vaz Leal e Companhia.

Da memória dos netos, na sua maioria afilhados, fica a ideia de um homem que se gabava de travar amizade e histórias com salteadores e nobres e de ser de estatura notoriamente mais baixa que a esposa. Católico e monárquico com um bigode com pontas encaracoladas e cicatrizes profundas nas mãos que passava muitas tardes a jogar às cartas com amigos de Loriga, como Joaquim Leitão, José Carreira e Pedro de Almeida, entre outros, no "Clube", que ficava na sua casa.

Durante a vida, dos 14 filhos que teve, perdeu dois rapazes (António e Augusto), finalistas da Faculdade de Coimbra com tuberculose e um filho (Isaac Luís) de sete anos, afogado no poço que posteriormente teve o nome pelo qual era vulgarmente conhecido, na Ribeira de Loriga. No final da vida, fez as pazes com a família da esposa e viaja constantemente para Belas, onde visita a irmã, internada por demência após ter contraído meningite, em 1930.

Veio a morrer em Coimbra, em 11 de Dezembro de 1950, aos 69 anos, após internamento por acidente cardíaco. A sua casa no "Pátio", no local conhecido pela "Praça" em Loriga, continua a ser parte indivisível de todos os seus herdeiros. Loriga viu partir mais um dos seus filhos, fundador de uma das suas Fábricas de Lanifícios, que o tornou num dos muitos industriais que contribuíram em muito para o engrandecimento da sua terra.

Árvore GENTES DE LORIGA

Ligações externas



Sorry, we couldn't find any images attached to this page.
Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License