António de Brito Pereira
530373_183774305f31ad281240x1.jpg

António de Brito Pereira nasceu em Loriga, em 17 de Maio de 1895, filho de António Pereira e de Emília Lopes de Brito. Mestre Barriosa, como era conhecido, desde muito novo começou a ter um gosto especial pela Banda, onde ingressou, vindo a notabilizar-se ao tocar diversos instrumentos, mas seria o Bombardino, a consagrá-lo, dizem até, que era um verdadeiro artista a tocar esse instrumento.

Biografia

Homem humilde, de poucas falas, sofreu na carne a sua condição social. Alfaiate de profissão, ou por necessidade, era no entanto, a música que mais lhe estava no coração. Era o pão que lhe faltava em casa, cujo filhos bem sentiram. Só que em vez de cortar mais pano, copiava papéis de música horas e horas sem conto. Só que em vez de alinhavar mais, perdia-se no sonho belo da cultura musical da sua terra.

Paixão pela música

Foi regente da Banda Musical de Loriga, quando era ainda relativamente muito novo, funções que viria a desempenhar muitas mais vezes. No total deve ter estado na regência da Banda de Loriga cerca de 30 anos. Trabalhou sempre incansavelmente para não deixar acabar a Banda da sua terra, porque em determinada altura parecia agonizar, devido a uma boa parte de loriguenses partirem para outras paragens, nomeadamente Sacavém e Brasil.

Esteve arredado da Banda Musical durante 30 anos, sofrendo interiormente quase um degredo. E era fácil vê-lo escutando a sua Banda, procurando ser discreto, mas a paixão não o deixava ocultar. Voltaria novamente à regência da Banda Filarmónica da sua terra, depois de todos esses anos, já velhinho, uma vez mais para a salvar.

Mestre Barriosa

Popularmente mais conhecido por "Mestre Barriosa", foi a muitos que ensinou música, passando-lhe pelas mãos quase todos os executantes da Banda de Loriga no seu tempo, até se dizia que era "ele a fazer a Banda, e depois eram outros a possuí-la". Sendo pessoa de bem tinha na sua modéstia, uma virtude, que ao longo dos tempos lhe fez angariar a estima, a amizade e o respeito dos seus conterrâneos.
Chegou a ser regente de outras Bandas, a de Silvares e depois a de Candosa, mas nelas não "murou" muito tempo, pois a Banda de Loriga e a sua terra, para ele eram tudo.

Era casado com Maria dos Anjos Alves Dinis, e pai do Albano, Manuel, João, António e Idalina, que tal como o pai muito viriam a fazer pela comunidade loriguense.

Faleceu velhinho e cansado em Loriga, no dia 24 de Junho de 1987, o funeral foi realizado para o cemitério local onde ficou sepultado. Perdendo Loriga um dos seus filhos queridos, que adorando a sua terra, acima de tudo amava a sua Banda, que por ela, grande parte da sua vida lutou, para que continua-se a manter-se bem viva e bem activa.



Sorry, we couldn't find any images attached to this page.
Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License