1939 - O ano em que não houve festa...

Autoria | Joaquim Pinto Gonçalves

Criado em | 31 Mar 1993 23:00
Publicado em | http://goo.gl/fsblR4

Esta crónica aborda episódios da vida de:

António Mendes Cabral Lages

______

carta.jpg

Em Abril de 1993, no número 2 do jornal Garganta de Loriga, publicou-se uma história um tanto rocambolesca na rubrica "Recordando". A história tinha por título: 1939 - O ano em que não houve festa…

Aqui se transcreve o conteúdo desse artigo da autoria de Joaquim Pinto Gonçalves:

Na nossa procura de curiosidades do passado de Loriga, fomos encontrar um documento muito intrigante, do qual publicamos uma cópia. Tal documento, havia sido enviado pelo Bispo da Guarda ao, então, Pároco de Loriga, Revº Padre Lages, com data de 7 de Agosto de 1939.

Dizia o seguinte:

Revmº Sr. Pároco de Loriga:
Revmº Sr., queira dizer-nos:

1º - O que se passou na noite de Sábado último?
2º - O que resolveram: fizeram ou não a festa religiosa?
3º - Justifiquem o que tiverem feito.
4º - Será preciso interditar os promotores do que se fez? Houve realmente promotores? E quantos?

Deus guarde Vª Revª
Guarda, 7 de Agosto de 1939
Assinado - José, Bispo da Guarda

O que nos chamou à atenção foi, de facto, o quarto ponto desta carta, onde se pergunta se seria necessário interditar os promotores. Decidimos, então, investigar e aqui vos damos conta do que descobrimos. Antes de mais, convém dizer que, na altura, não eram permitidos arraiais populares nas festas de cariz religioso. Assim, alguns dos nossos conterrâneos que não se conformavam com tal proibição, decidiram reagir. Se bem o pensaram, melhor o fizeram. Na noite anterior à Festa da Nª Srª da Guia (a noite de sábado último a que se refere a missiva), por volta da meia-noite, os "promotores" dirigiram-se para o recinto da festa e, segundo algumas fontes, lançaram foguetes para captar a atenção da população, para que esta ouvisse os seus protestos. Ao que soubemos, aproveitaram também a ocasião para dirigirem alguns insultos ao Pároco.

Para se fazerem ouvir, utilizaram um grande funil, que foi, posteriormente, destruído pelo seu dono, ainda vivo, que nos confessou tê-lo feito para não ser incriminado:

- Não tive nada a ver com aquilo! Se soubesse o que iam fazer, nunca o tinha emprestado.

Mas o episódio não acaba aqui. No dia seguinte, o Padre Lages recusou-se a fazer a festa. Segundo as nossas fontes, justificou o facto, dizendo que não havia condições para a fazer, uma vez que os quatro indivíduos se propunham realizar um arraial no recinto (que acabaram por fazer), sabendo, de antemão, que tal não era permitido. Assim, não se realizou a festa da Nª Srª da Guia, nesse ano, na data habitual, o primeiro Domingo de Agosto. Consta que, 15 dias depois, houve uma celebração na capela, ao que parece, em substituição da festa. E os quatro "promotores" foram alvo de interdição (para o povo foi excomunhão), por parte do Bispo da Diocese.

Nos dias de hoje, este episódio pode causar alguma perplexidade e até alguma graça, mas, na época, estas coisas das excomunhões eram levadas muito a sério por parte das populações, muito dependentes da autoridade religiosa. A titulo de exemplo, note-se que o Padre Lages era o Presidente da Junta Paroquial de Loriga, entidade semelhante à actual Junta de Freguesia.

______

Comentários a esta crónica

Adicionar um Novo Comentário

Páginas relacionadas

Páginas com etiquetas similares:

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License